terça-feira, 26 de maio de 2015

Conto maior de terror a La Stephen King.




Aqueles que tem consciência da morte
Ao invés de consciência de vida
Quem lhes deu tal sorte?
Quem lhes deu guarida?

A morte pode ser um estorvo
Mas não a rainha desse império
Que se fosse estaríamos todos mortos
E se inertes o que esperar de tudo?
O triunfar dos abismos, dos suicídios e genocídios?

Que depois dela persista sempre, um fio condutor
Que transmita o calor da fonte, o estabelecido,
Para nós, a verdade última
Talvez adivinhada.

Que depois de tudo se recuperem os organismos
E num ciclo
Volte a instrução redesenhada
Sempre com o cunho da vida gritante
Neles ostentada.



Susana Luiz 


                                                                      
Imagem - Santiago Caruso